clique aqui e receba as atualizações do blog em seu email


PARA EMPRESAS AS PALAVRAS MUSICADAS AS OUTRAS PALAVRAS CONTATO HOME


Anuncie no Blog do Alex Pinheiro. Clique aqui!

As páginas mais visitadas aqui:

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Partido Artista

Ontem à noite fui aninhado para o centro de uma discussão que escolhi me retirar tardiamente, pois o amargo dentro de mim ficou e eu não disse nada. Um senhor de cabelo branco e testa alongada exortava dois pobres adolescentes fantasiados de CDF's, - desses que, sem usar roupa de marinheiro, assemelham-se demais com o Kiko, escada do Chaves - sobre a China oculta no governo da Dilma. Fiquei tão triste que quase vomitei.

Ele disse algo sobre cerca de 400 alterações na constituição brasileira do qual o governo do PT tem em seu plano. Nitidamente espumoso, o prolixo desandou a falar sobre as atrocidades que Dilma fez enquanto guerrilheira armada e sobre sua fama de atirar antes de interrogar. Falava com uma convicção perniciosa e até certo ponto, psicótica.

Obviamente, esse arauto dos engomadinhos protegidos nas escolas particulares, não apresentava nenhuma prova. E a grande parte do que ouvi, posto que exerci o direito de me retirar, era subjetivo e travestido de ódio. Tivera ele sido torturado por alguma guerrilha amadora do interior? Ou era daquelas crianças que esperavam o pai chegar pro jantar mas ele se atrasava num barzinho comunista, sempre mais poético, forçando-o a consolar sua mãe?

Em dado momento, um dos adolescentes perguntou, incauto: "O que o Sr achou da ditadura?". E foi a faísca para o homem quase enfartar. Dentre tantas atrocidades que desferiu, a mais grosseira foi claramente essa: "Eu preferia aquela ditadura, em que ia dormir em paz, a essa que Lula trouxe pra nós, cheia de bandido na rua".

Diante disso, preferi me retirar e me concentrar no que podia fazer para que semente tão vil não floresça. E escolhi escrever aqui, pois é o lugar mais democrático entre os menos democráticos da nossa nova ditadura; a social.

Toda a bestialidade do velho me serviu para identificar a nova censura, e ela é social, não política.

A chance de qualquer pessoa alterar os rumos de um pais com a dimensão continental do Brasil é nula. A Sociedade da Informação é infinitamente superior à qualquer grupo político, mesmo que liderado pelo Pink e Cérebro. A queda do Quarto Poder como instituição, para dar lugar às redes horizontais, pode até levar a humanidade para o caos, mas um caos gostoso que ela escolheu viver, e não meia dúzia de homens reunidos em "assembleia".

Logo, se existe uma ditadura, ela não está e nunca se frutificará nas alcovas da política. Ela está na Sociedade da Informação e se alimenta de seus elementos gestores: o cinema, a moda, a literatura e a música.

Queriam um mundo governado por artistas, e não políticos. Conseguimos! Portanto, não importa em quem você votar neste domingo, ambos são do mesmo partido: os derrotados.

PS: Não voto em PT, tampouco em PSDB.

Alex Pinheiro

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Google Analytics Alternative