clique aqui e receba as atualizações do blog em seu email


PARA EMPRESAS AS PALAVRAS MUSICADAS AS OUTRAS PALAVRAS CONTATO HOME


Anuncie no Blog do Alex Pinheiro. Clique aqui!

As páginas mais visitadas aqui:

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Verão

Uma sacolinha plástica, dessas de supermercado, era guardiã das décadas. Assaltada por um garoto avesso, rasga e espalha, sobre a calçada, uma vida inteira em meia dúzia de objetos aparentemente desconexos, além de duas dezenas de fotografias. Quais teriam sido os caminhos daquele maltrapilho? Perguntavam-se os homens barrigudos debruçados no balcão do quiosque, tomando suas cervejas e observando o pivete que virou a esquina gargalhando e deixou o pobre caído na soleira do conservatório, sem ajuda para levantar-se. Todos viram quando ele conseguiu se aprumar, juntando suas coisas, e uma lágrima lhe correu o rosto. O frio não lhe arrancava mais dor. Nem a própria dor lhe arrancava mais nada. Porém, seu único patrimônio mostrava as marcas do tempo e isso o tocou. Coisas que não saíam daquela sacola há meses, estavam se perdendo de sua própria cor. Uma das fotos estava, inclusive, irreconhecível. Juntou mais uma vez os seus trapos e decidiu voltar para casa, abastecer sua vida de memória.



*Originalmente publicado na coluna "conto... ou não conto?", no jornal Taperá, em 07/12/2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Google Analytics Alternative