clique aqui e receba as atualizações do blog em seu email


PARA EMPRESAS AS PALAVRAS MUSICADAS AS OUTRAS PALAVRAS CONTATO HOME


Anuncie no Blog do Alex Pinheiro. Clique aqui!

As páginas mais visitadas aqui:

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

No centro das coisas

Nunca tinha visto o jardim daquele jeito. À medida que o vento lateral tocava seu braço, fazia balançar as flores com suas cores deixando rastros no fundo verde do gramado. Sentiu-se parte daquele jardim. Era como se o vento revelasse a condição de serem um único corpo. Ficou ali, observando embasbacado e nem piscava. Virou a cabeça lentamente, contemplando o entorno, e se apercebeu centro das coisas. Nunca tinha visto a pressa das pessoas assassinando as flores. Eram olhares sempre abstraídos nos celulares ou num horizonte vazio. Esbarravam-se como se trombassem com postes, mas com isso ele já estava acostumado, desenvolvendo a desprezível resignação e entendendo que um pedido de desculpas fora suprimido, há muito, pela emergência de se chegar nalgum lugar. E agora ele via todos esses destinos ao mesmo tempo: as portas giratórias, as portas de vidro, as portas sanfonadas e os lugares sem portas. Percebeu que havia agora poucos lugares sem portas  Nunca tinha visto tanta dor. Era cego.



*Originalmente publicado na coluna "conto... ou não conto?", no jornal Taperá, em 14/12/2013.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

 
Google Analytics Alternative