clique aqui e receba as atualizações do blog em seu email


INÍCIO AS PALAVRAS MUSICADAS AS OUTRAS PALAVRAS ATIVIDADE DIGITAL CONTATO


Publicações mais lidas no Blog do Alex Pinheiro:

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

acepipes

Almodóvar vai passar aqui deixar um daqueles óculos. Preciso urgente de óculos. Não esqueça de agradecer por mim. Estarei ocupado com o fígado fraco que habita meu corpo. No entanto, creio a você minha gratidão pelos óculos. Pedi um daqueles que deixam aros ignóbeis nas pessoas deitadas do Becão. Sensato que é, ele provavelmente acobertará o presente com algum embrulho. Não se atreva abri-lo. Reconheço mínimas que sejam as alterações físicas do que estimo. E já tenho pedido esse óculos há tanto tempo que o estimo desde antes. Estimo – concordo! – o desconhecido, mas pra isso é que servem os óculos.

E assim, lentamente o espaço das coisas que amo expande na mesma proporção que ignoro. Das pausas sequenciais nessa crônica, por exemplo, revelo a deficiência fóbica instalada na neurose da minha ansiedade. E assim, virgulado pela pobreza criativa, colho caule de taioba gigante a fim de substituir palmito. É que deveras amo, mas não enxergo!

Vou a passos curvos e fatigados. Quantificando os remédios rejeitados e os comprimidos castigados pelo meu suco gástrico. Tanto espero, que canso. Procuro um banco e, sentado entre uma fonte luminosa, e duas dúzias de flores coloridas, prefiro observar o grupo de andarilhos impacientes da outra ponta, na praça. Mas estou sem óculos.

Levanto-me. Olho no relógio digital do meu celular e percebo que, nem sempre olho praquele relógio com interesse no tempo. Ele havia transformado-se num subterfúgio. Em pé, meu caminho é distante e rápido, agora. Estou indo pra qualquer lugar outro que nem sempre interessa. Eram apenas as pernas adquirindo vida própria. Eram as pernas controlando meu destino. Afinal, um pouco de dependência me inocenta de qualquer culpa. E acabei numa calçada larga de pessoas velozes e lojas vazias, mas não vi muito. Estava sem óculos.

O canto esquerdo do meu olho até teimava uma ou outra observação, mas era impedido por um esbarro desses que nos colocam de volta a um fluxo, andando sem controle e levado pelo movimento alheio, pela massa. Agora, sem óculos, vejo a poucos olhos e da gorda sensibilidade, que os dois homens ao meu lado também não usavam óculos. Mais adiante, de cabelo curto e fone no ouvido, havia outra garota sem óculos. A senhora distinta e elegante, atrás de mim, também não tinha óculos. Acabei num desabafo que ultrapassou meus devaneios e transformou-se num sussurro bufante:

“Como pode esse povo sair de casa sem óculos?!”
música: Logus Pé [Gal Costa (Tito Bahiense)]
.
.
Alex Pinheiro

13 comentários:

  1. Não sei como explicar, mas este post me deixou triste!
    Senti uma solidão enorme nessas palavras!!!
    Beijos

    PS: e o vídeo?

    ResponderExcluir
  2. Oi Alex,
    Adorei o seu blog - e da sua foto! Hummmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm.
    Beijos de Londres
    Daniel
    www.sembolso.blogspot.com

    ResponderExcluir

  3. putz!!!

    muito bom, alex!

    hipermétropes invenções para vc! rs

    ResponderExcluir
  4. criativo em grau elevado,
    um espaço mágico,

    muito bom encontrar 'coisas'
    diferentes na blogosfera,

    inspir ações,

    bj,

    ResponderExcluir
  5. nossa vida viu...
    usemos os óculos pra enxergar as pequenas grandes coisas da vida...
    simplesmente li com óculos a mensagem que quis passar...
    delicioso.

    bjo.

    ResponderExcluir
  6. Os meus (devaneios), que me levam e me soltam. Me perco para encontrar meu 'eu'...

    Imenso prazer, poETA!

    Eu volto, e volto... com sorriso nos lábios

    ResponderExcluir
  7. A cegueira faz bem, para quem já enxergou demais. Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Parece que todo mundo anda sem querer enxergar o mundo!

    Mas, como disse o Ricardo a cegueira faz bem quando já se viu demais...

    Enfim...

    Eu não uso óculos, mas se o Almodóvar me trouxesse um, usaria! :P

    Beijos deLírios, querido Alex! ;)

    ResponderExcluir
  9. Eu uso óculos.

    Mas são apenas óculos de pó, como se dizia quando eu era menino.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  10. Ola, Alex!
    Depois da lide do vestibular(aprovado em Direito, uma compensação) e dos arroubos de uma paixão(sina nossa, essa de amar!), estou começando a retomar o blog. Passei aqui para retribuir a visita - e vejo-me refletido num texto alicerçado sobre óculos solicitados e uma sensação vaga de tranqüila tristeza. Uma metafísica insinuante e sedutoramente simples...

    Grande abraço...
    Vanildo.

    ResponderExcluir
  11. é mesmo...

    e os óculos?? como esse povo vive sem óculos...
    eu não uso óculos.

    -

    por que eu pareço com Luiza?
    numtendi.

    ResponderExcluir
  12. Óculos de Almodóvar...Nas cores de Almodóvar?
    Às vezes é bom ver tudo o que nos certa sob outra perspectiva, mas... Não sem óculos.

    Uma crônica melancólica, mas muito bem escrita, Alex. Parabéns!

    Beijocas
    www.lizziepohlmann.com

    ResponderExcluir

a imagem-título é uma invenção de Mariah

 
Google Analytics Alternative