clique aqui e receba as atualizações do blog em seu email


PARA EMPRESAS AS PALAVRAS MUSICADAS AS OUTRAS PALAVRAS CONTATO HOME


Anuncie no Blog do Alex Pinheiro. Clique aqui!

As páginas mais visitadas aqui:

sábado, 26 de janeiro de 2008

Camilinha

Blogueira dos primórdios aqui no InventO, Camilinha me surpreendeu pela maturidade e sensualidade na letra, desde quando habitava outra casa inda.
.
.
com

Era a menina dentro dela que tirava lentamente a roupa, e que,
depois de alguns goles cadenciados daquele líquido a faziam
menos tímida e mais agitada.
Era a mulher dentro dela que abria passagem entre as pernas,
mas era a menina que procurava o agasalho do corpo quente.
Já não sabia se serpenteava ou sereiava...
Na menina, não havia malícia, entretanto.
Havia submissão ao desejo.
Na mulher havia o sopro da lascívia,
Havia o doce amargo dos jogos.
Era a menina dentro dela que chorava de tristeza de se entregar,
assim, sem amor...
Mas era a mulher dentro dela que ardia por mais...
Foi a menina que ergueu a cabeça e disse não,
enquanto a mulher, ficava ali...
deitada na cama sem saber o que fazer com
tanto peso, tanta dor, tanto nada...
música:Álibi(Djavan)
.

8 comentários:

  1. texto vivo. maduro, duro, consciente, pulsante.

    brigado, Alex.

    bjo, Camilinha.

    ResponderExcluir
  2. Nossa... Fiquei feliz!!! Obrigada pela deliciosa surpresa!! E sim, há tempos passo por aqui e é tão bom que sempre volto, né!?

    beijos daqui...

    ResponderExcluir
  3. Camilinha é tudo isso e mais um pouco... um muito... um...

    Suas reticências são também as minhas, pra sempre.

    ResponderExcluir
  4. Claro que pode, Alex.
    Você pode tudo.
    És um excelente amigo blogônico!
    =D

    Ficaria honrado em ter um texto meu em seu blog!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Não entendi.
    Camilinha tbm posta?
    ou só vem e vem em quando?

    ResponderExcluir
  6. Também gosto desse texto da Camila. Retrata bem o conflito que nós, mulheres, temos vez em quando (ou vez em sempre... rs).
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  7. Destas meia-entregas repletas de tantos sentires. Nem mergulho, nem ducha fria, a ponta dos pés molhados, como quem se previne da temperatura antes de jogar-se inteiro.
    Algo ao meio, diz-se pleno e estas reticências completando o faCto.

    Muito bom.
    Valeu Camilinha!

    Abraços, poeta.

    ResponderExcluir
  8. Achei muito bom, maduro, como foi dito acima! Ótima iniciativa essa sua, Alex! E adorei a imagem da semana. Beijos.
    =)

    ResponderExcluir

 
Google Analytics Alternative