clique aqui e receba as atualizações do blog em seu email


INÍCIO AS PALAVRAS MUSICADAS AS OUTRAS PALAVRAS ATIVIDADE DIGITAL CONTATO


Publicações mais lidas no Blog do Alex Pinheiro:

sábado, 26 de janeiro de 2008

Camilinha

Blogueira dos primórdios aqui no InventO, Camilinha me surpreendeu pela maturidade e sensualidade na letra, desde quando habitava outra casa inda.
.
.
com

Era a menina dentro dela que tirava lentamente a roupa, e que,
depois de alguns goles cadenciados daquele líquido a faziam
menos tímida e mais agitada.
Era a mulher dentro dela que abria passagem entre as pernas,
mas era a menina que procurava o agasalho do corpo quente.
Já não sabia se serpenteava ou sereiava...
Na menina, não havia malícia, entretanto.
Havia submissão ao desejo.
Na mulher havia o sopro da lascívia,
Havia o doce amargo dos jogos.
Era a menina dentro dela que chorava de tristeza de se entregar,
assim, sem amor...
Mas era a mulher dentro dela que ardia por mais...
Foi a menina que ergueu a cabeça e disse não,
enquanto a mulher, ficava ali...
deitada na cama sem saber o que fazer com
tanto peso, tanta dor, tanto nada...
música:Álibi(Djavan)
.

8 comentários:

  1. texto vivo. maduro, duro, consciente, pulsante.

    brigado, Alex.

    bjo, Camilinha.

    ResponderExcluir
  2. Nossa... Fiquei feliz!!! Obrigada pela deliciosa surpresa!! E sim, há tempos passo por aqui e é tão bom que sempre volto, né!?

    beijos daqui...

    ResponderExcluir
  3. Camilinha é tudo isso e mais um pouco... um muito... um...

    Suas reticências são também as minhas, pra sempre.

    ResponderExcluir
  4. Claro que pode, Alex.
    Você pode tudo.
    És um excelente amigo blogônico!
    =D

    Ficaria honrado em ter um texto meu em seu blog!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  5. Não entendi.
    Camilinha tbm posta?
    ou só vem e vem em quando?

    ResponderExcluir
  6. Também gosto desse texto da Camila. Retrata bem o conflito que nós, mulheres, temos vez em quando (ou vez em sempre... rs).
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  7. Destas meia-entregas repletas de tantos sentires. Nem mergulho, nem ducha fria, a ponta dos pés molhados, como quem se previne da temperatura antes de jogar-se inteiro.
    Algo ao meio, diz-se pleno e estas reticências completando o faCto.

    Muito bom.
    Valeu Camilinha!

    Abraços, poeta.

    ResponderExcluir
  8. Achei muito bom, maduro, como foi dito acima! Ótima iniciativa essa sua, Alex! E adorei a imagem da semana. Beijos.
    =)

    ResponderExcluir

a imagem-título é uma invenção de Mariah

 
Google Analytics Alternative