clique aqui e receba as atualizações do blog em seu email


INÍCIO AS PALAVRAS MUSICADAS AS OUTRAS PALAVRAS ATIVIDADE DIGITAL CONTATO


Publicações mais lidas no Blog do Alex Pinheiro:

sexta-feira, 15 de junho de 2007

Darfur: furo na África

.

Ele foi conhecido na antiguidade como Núbia e, posteriormente, foi incorporado ao mundo árabe na expansão islâmica do século VII. O sul escapa ao controle muçulmano, mas é submetido às aventuras dos caçadores de escravos quando, por volta de 1821, é conquistado e unificado pelo Egito e, anos depois, o Reino Unido é quem invade o país estimulando aspirações de independência que culminam com a expulsão dos próprios ingleses em 1885. Treze anos depois os ingleses retomam o espaço geográfico formatando um domínio conjunto e explorador com o Egito. Mas estava próxima a autonomia limitada em 1953 e, ufa! A independência em 1956. Escrevi sobre o Sudão...

Esta nação tem uma história de conflitos entre o sul, cristão e animista, e o norte do país, muçulmano, que resultaram em duas guerras civis. Num certo momento da história, acreditem, introduziram no país, que não era totalmente maometano, a Sharia, lei islâmica responsável pela fuga dos sudaneses a países vizinhos pelo simples fato dela proibir bebidas alcoólicas, além de punir com enforcamento ou mutilação (como assim?!), dentre outros “parágrafos”.

O Sudão é o maior país da África tendo, somente em Darfur, cerca de 5 milhões de pessoas e três tribos predominando: os fur, os masalit e os zaghawa, que são em sua maioria negros muçulmanos. E nesse contexto geográfico nasce, em fevereiro de 2003, o Conflito de Darfur quando dois grupos rebeldes da região (Movimento de Justiça e Igualdade e o Exército de Libertação Sudanesa) se revoltam contra a atitude pró-árabe do governo central sudanês que, dentre outras coisas, oprimia os não-árabes e negligenciava aquela divisão territorial. Outra reivindicação dos rebeldes era a partilha dos rendimentos obtidos com o petróleo recém-descoberto na região. Em reação, o governo iniciou bombardeios aéreos enquanto era apoiado em terra pelo ataque da milícia árabe e muçulmana Janjaweed (financiada pelo presidente sudanês Omar El Bashir) que aproveitou para queimar vilarejos e estuprar centenas de mulheres e meninas, humilhando os não-árabes. O bebê proveniente dos estupros acaba sendo chamado, pelas próprias mães, de janjaweed: um insulto que em língua local significa algo como "diabo montado a cavalo". Por terem a pele mais clara eles são alvo de preconceito e facilmente identificados como descendentes de árabes, sofrendo muitas dificuldades de aceitação e integração, durante toda a vida, nas tribos ao sul.

Nossa! Que horrível né? ...Nem se preocupe, não é no Brasil mesmo! Mas eles estão até hoje nesse conflito civil camuflador da posse do petróleo. Ah! Estão até dizendo por lá da existência de muitas reservas para comprovar. Estima-se que, desde 2003, mais de 400 mil civis foram mortos e cerca de 2 milhões tiveram que deixar suas casas. Morrem, segundo estudos de campo, aproximadamente 500 pessoas por dia. Mas liga não hei! Eles estão longe! E estão faturando 70% da exportação com petróleo. Prevendo que isso aconteceria os EUA promulgou sanções comerciais vetando empresas americanas de explorar o petróleo sudanês desde 1997, sob a acusação de que o Sudão promovia o terrorismo, além de proibir companhias sudanesas de usar a moeda americana. Os efeitos das medidas foram limitados uma vez que a China se tornou a maior exploradora do petróleo sudanês e, com esses rendimentos, o governo do Sudão segue comprando armas para a milícia Janjaweed e pode manter as ações em Darfur. Adivinhem quem vende essas armas! A Rússia e, lógico, a China! Agora o governo americano endossa as sanções de Bill Clinton acrescentando outras e, adivinhem mais uma vez, quem aprovou as sanções!? O Tony Blair!!!

Isso tudo desenha a perfeita globalização. Imaginem vocês que o Brasil deve mesmo investir na parceria com a China. Ela é “fiel”. Tamanha fidelidade é visível nos constantes vetos ao envio de tropas de paz reforçadas ao Sudão. Leiam o que disse Liu Guijin, representante da China na questão de Darfur: Sanções e pressão não vão resolver o problema. Penso na hipótese de se promover o estupro de sua querida esposa por um Janjaweed. Mas relaxa, estamos longe demais! Não é problema nosso! E mesmo assim o presidente Lula chegou a ser elogiado pelo presidente sudanês, em visita ao Brasil, quanto à sua “neutralidade” no conflito em questão. Que tal pensarmos na hipótese da primeira-dama Marisa... Deixa pra lá!

Pergunto-me sobre produtos que consumi quando meus pais jamais imaginaram que veriam. Conheci lugares que meus pais jamais imaginaram conhecer, com tão pouco. Tudo a propósito duma tal globalização que diz respeito à quebra de barreiras em vários sentidos. Graças a essa tal que minimiza identidades culturais estamos involuntariamente condicionados a um modelo de existência. Tem que funcionar! Bom, se é assim tudo tão globalizado por qual dos motivos não globalizamos a educação?! A saúde?! Ou então a manutenção da paz?! A manutenção da paz gente! Aiaiviw... É o Brasil! Ops! O ser humano.
música:Tribal Dream(Yanni)
imagem:BBCBrasil
.
Alex Pinheiro

10 comentários:

  1. Nossa, muito obrigada pelo elogio! ^^

    Vamos fazer sim essa troca de experiências literárias :P

    Mesmo tendo conhecimento que irei ser esmagada :X

    iauaiusiausiausa

    Beijoos =**

    ResponderExcluir
  2. África é um continente "complicado".

    Primeiro, porque é difícil de democratizar, há sempre um "ditadorzito" em cada chefe de estado africano (veja-se Angola do José Eduardo dos Santos, usa um avião do estado para levar as filhas e os amigos para Portugal em férias!!)...

    Segundo, porque é pobre e não consegue deixar de o ser, as elites ricas não olham pela população no geral. E se falta o pão, as pessoas não se vão preocupar com uma coisa que se chama... se chama... Ahhhh, "educação"!

    Assim, dificilmente a globalização (no sentido positivo!) chegará ao continente tórrido.

    Cumprimentos.

    ResponderExcluir
  3. Em primeiro lugar obrigado pela visita e pela solidariedade demonstrada. Quanto ao professor Caturra nada mais há a dizer.
    Em relação a África haveria muito a dizer, começando pelo facto de muitos dos problemas se deverem às fronteiras taçadas pelos europeus na Conferência de Berlim, sem ter em atenção os povos que lá viviam. O resultado está à vista. O Darfur é o caso mais recente, mas muitos outros houve e continua a haver.< Infelizmente. No século XIX não podemos permitir genocídios nem fechar os olhos.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Pois é... O ser humano...

    Esqueçemos esse deltalhe...

    beijos

    ResponderExcluir
  5. África?
    você é do tipo que conversa? se for, ficarei feliz em receber uma mensagem sua.

    salve Caturra!

    ResponderExcluir
  6. sempre algo impressionante aqui ;D

    ResponderExcluir
  7. , isso tudo me deixa muito angustiado.
    , lá em quimeras você falou em censura, longe de mim isso. uma palavra que combina bem é pirraça...
    , abraços meus.

    ResponderExcluir
  8. Bixo...
    Posso imprimir isso?
    Quero ter guardado em documento isso!

    Lembro quando vc disse "vou escrever sobre o Sudão"...
    Congratulations!
    Mto bom
    Gostei
    Abraçoz

    ResponderExcluir

a imagem-título é uma invenção de Mariah

 
Google Analytics Alternative